Quem sou eu e o que este blog.

Minha foto

Sou viciado em computação, Internet e Fotografia. Morei por quase 6 anos, e ainda frequento, Paraty. Sou usuário de softwares Open Source, tendo dado algumas contribuições em diversas ocasiões.

domingo, 10 de março de 2013

Entendimento da luz e "kit fotógrafo"

Qual é uma das coisas mais importantes que um fotógrafo tem que saber, que sem saber isto, de forma alguma poderá ser considerado fotógrafo?

Dica: a dica está na palavra fotografia. Pense um pouco e depois leia o resto do artigo.

A coisa mais importante, que não é fácil de aprender, que sempre se está aprendendo etc, é entender a luz. Se você não consegue olhar a cena, entender a luz da cena, as cores da luz, as formas da luz, o alcance das luzes, as sombras das luzes etc, você não será capaz de explorar todo o potencial de um local, de uma cena, e uma boa foto dependerá de uma boa dose sorte, ou da sorte do algoritmo de exposição da câmera tenha levado algo em conta que ajude.

Sem compreender a luz, pelo menos um pouco, você realmente nunca pode se intitular fotógrafo.

Não vou ensinar a ler a luz de uma cena, pois isto não dá um artigo. A mais básica noção dá um workshop de dia inteiro, e ainda tenho muita coisa a aprender. Aliás, sempre se tem o que aprender, pois a diversidade de nuances é infinita. É um caso que lembra IDIC. Parte pode ser ensinado, parte pode ser aprendido em conversas, trocas de informações etc, parte observando fotos dos outros, mas muito também tem que ser aprendido sozinho, experimentando, observando olhando, e é um aprendizado contínuo. A forma com que um fotógrafo compreende a luz, e a explora, faz parte do seu estilo fotográfico.

Um exemplo sobre compreensão da luz, que também inclui compreensão do funcionamento do filme, foi Ansel Adams. Ele é meio que o pai da fotometria e dos processos de exposição. Ele tinha uma grande compreensão da luz e do comportamento dos filmes. Todo fotógrafo, mesmo da era digital, tem que aprender o método de zonas (Não tenho certeza se esta é a tradução usada no nome do processo.).

Infelizmente pouca gente sabe desta necessidade de compreensão da cena, da luz da cena (e muitas outras variáveis que não estou falando aqui, como enquadramento, profundidade de campo etc), acreditando que basta comprar uma boa câmera, com um bom flash, e já é fotógrafo. Vi alguns anúncios perigosos em uma revista de fotografia de alguns anos atrás. Um deles era "kit fotojornalista", que consistia de uma câmera DLSR, uma lente, um cartão de memória e um flash. Como já falei antes, a câmera é só a ponta do iceberg.

E agora aparece a revista Viva Mais com um artigo mentiroso, dizendo na capa que a pessoa pode se tornar um fotógrafo em 1 dia e ganhar 4 mil por mês. No texto ela se contradiz, só falando de um curso de um dia, mas todos os outros duram de dias a meses. Para piorar, a revista deturpou a entrevista que fez com o fotógrafo Leandro Neves, como pode ver aqui, no blog dele.

Já vi gente que comprou um "kit fotógrafo" e já saiu fazendo fotografias, e até de casamento, pois se achava fotógrafo, usando tudo no automático. E se pegasse uma igreja no qual fosse proibido usar flash? Já vi igrejas antigas onde é tecnicamente proibido o uso do flash, mas tem gente que não respeita, e nem é cobrado este respeito. E se fotografar o vestido da noiva no sol?

Tem gente que não compreende a complexidade da fotografia, e acredita em "papos de vendedor", como o anúncio na revista citado acima, ou em artigos irresponsáveis de revistas, como a Viva Mais. O vendedor, em geral, nem sabe muito de fotografia (quando sabe alguma coisa). Muitos só querem a comissão, e para isto tentam lhe vender a câmera mais cara, não importando se saberá usar ou não, se a merece ou não etc. E ainda quer empurrar uma lente (ou mais), um cartão de memória caro, um flash, e se possível um tripé, filtros (filtro para proteger a lente é importante) e uma mochila também. Por estas que acho que lojas de equipamento fotográfico deveriam ter fotógrafos atrás do balcão, com noções de ensino ou até mesmo professores, para vender o que seja adequado ao cliente, nada mais e nada menos.

Por que alguém vai comprar, por exemplo, uma Nikon D7000, se só vai usar no automático e só usar a lente de kit? Neste caso vale muito mais a Nikon D5100, que é para este tipo de cliente, e tem o mesmo sensor. Economiza uma boa grana para o cliente, é mais leve, e mais simples.

Mas voltando à luz, existem sintomas típicos de quem não entende a luz:
  • Acreditar no mito que se tem que usar flash de noite e não se deve usar flash de dia. Isto é um mito, um grande e comum mito. De noite, dependendo da luz, de como ela está, de onde vem, para onde vai etc, não precisa, e dependendo do que se deseja, muitas vezes nem se deve usar flash. De dia pode-se usar flash para compensar contraluz, para realçar, para preencher etc. Basta saber o que está fazendo.
  • Tentar fotografar uma paisagem noturna, ou até mesmo diurna, com flash. Já vi gente de cima de pontes tentando fazer isto, especialmente com câmeras compactas.
  • Fazer aquelas fotos "Eu estive aqui, mas aqui onde?", i.e., fotos sem fundo. Turistas fazem muito disto de noite.
  • Fotografar shows com flash, incluindo com "kits fotógrafos". Normalmente uma DSLR e um flash externo sendo usados no automático.
A compreensão da luz depende de cada um, da forma com que cada um aprendeu, e está aprendendo, do nível do aprendizado, da forma em que vê o mundo etc. Esta é uma das muitas coisas que define a qualidade e o estilo de um fotógrafo.

O conhecimento de geometria ajuda a entender como a luz se espalha, como a energia se perde com a distância, mas isto pode-se aprender empiricamente também.

Tem uma experiência que qualquer um que tenha uma câmera que faça fotômetro spot pode fazer. Coloque o fotômetro em spot, fixe uma abertura (F5.6, por exemplo) e  a sensibilidade (ISO 100, por exemplo), e passeie o ponto central, de medição, pelos objetos à sua volta, inclusive pela lâmpada. Faça isto sempre prestando atenção ao tempo de exposição. Aponte para um lugar no teto e siga em direção da lâmpada e veja quanto o tempo de exposição varia. Passeie a medição por uma cena.

Esta experiência dá aos iniciantes muito o que pensar, mostrando muita coisa para aprender. Não precisa fazer nenhuma foto no processo, mas fazer algumas podem ajudar a amadurecer as teorias do que está acontecendo, e ajudará a conhecer o comportamento da câmera.

Como falei, entender a luz é um longo e constante aprendizado, e a experiência acima ajuda em muito.

Dicas de estudo. Procure estudar como se calcula a área superficial de uma esfera, trigonometria, e como as áreas superficiais aumentam conforme se afasta do objeto, ou aumenta-se o raio da esfera.

2 comentários:

  1. A matéria em si já é um aprendizado, por agregar diversos conhecimentos ao tema principal e principalmente por encorajar ao experimentalismo individual de quem realmente quer tornar-se um fotógrafo. A luz existe, mas cada um a percebe da sua maneira, independente do conhecimento que detenha. Aprendemos sempre...

    ResponderExcluir