Quem sou eu e o que este blog.

Minha foto

Sou viciado em computação, Internet e Fotografia. Morei por quase 6 anos, e ainda frequento, Paraty. Sou usuário de softwares Open Source, tendo dado algumas contribuições em diversas ocasiões.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Fusão EVIL e DSLR

Este é um dos meus desejos mais delirantes, um dos mais difíceis de implementar, e talvez mais polêmicos. Este deve necessitar de um arranjo de hardware, ótica e eletrônica, muito delirante ou genialmente simples.

A SLR (Single Lens Reflex) permite ver a imagem prévia através da lente com uma qualidade muito grande, e permite que a câmera consuma muito pouca energia em seu funcionamento. A quantidade de exemplos é absurda, como a Nikon F2, Nikon D90, Canon A1, Canon 5D etc. Algumas, como a NIkon F2 citada como exemplo, nem precisa de pilhas para funcionar, pois elas só são usadas no fotômetro. As DSLRs são uma variação das SLRs, são as SLRs digitais.

O EVIL (Electronic Viewfinder Interchangeable Lens) é uma câmera que permite a troca de lentes, mas não é SLR. Ela não tem espelho. Elas podem ter uma eletrônica mais complexa que uma DSLR, e não existe em versão de filme, e nem tem como. É uma novidade tecnológica que tem se popularizado muito rapidamente nos últimos 2 anos (Pelo que li, fora do Brasil. No Brasil as novidades parecem ter um atraso muito grande para engrenar.). A imagem é vista através de um visor eletrônico que mostra a imagem captada pelo sensor. A qualidade da imagem vista no visor eletrônico é inferior à SLR, mas algumas, como a Panasonic G1 tem um visor de alta resolução que dá uma imagem bem realista. Mas o que se vê no visor eletrônico é mais parecido com o resultado final do que no caso da DSLR.

A DSLR depende do LCD atrás da câmera para se ver o resultado, ou mais detalhes da configuração da câmera, menus etc, mas uma câmera EVIL pode permitir que se se faça qualquer operação tanto no LCD quando no visor eletônico. Então, para trabalhar no sol, uma câmera EVIL leva vantagem, pois o LCD traseiro pode ser muito difícil de ler no sol. Outra vantagem de uma EVIL é quando o usuário precisa de óculos para ver de perto. Ele olha pelo visor que já está ajustado para o grau dele, enquanto no LCD precisa de óculos para ver (Este é o meu caso.). O visor eletrônico ainda consome menos energia que o LCD traseiro, por ser menor, e precisar menos brilho, pois não compete com a luz ambiente.

Por um lado temos a DSLR com uma imagem muito boa no visor, que não consome energia, e permite avaliação da cena, foco, enquadramento etc, sem ligar a câmera. Mas ela depende do LCD para algumas operações. Por outro temos a EVIL, que consome bem mais energia, pois sempre tem um LCD ligado e iluminado, dentro do visor eletrônico ou o traseiro, e só se pode ver a imagem que entra pela lente com a câmera ligada. Mas numa EVIL pode-se fazer todas as operações pelo visor eletrônico sem interferência da luz ambiente e com menos consumo de energia, mesmo as que numa DSLR tem que ser feitas pelo LCD traseiro.

O Live View permite fazer algumas coisas que não são fáceis de fazer no modo tradicional da SLR, como foco com reconhecimento de rosto, perseguição de foco etc, mas se fizer isto em uma DSLR, só se poderá fazer usando o LCD traseiro.

E se conseguissem fundir as duas coisas? Uma câmera que quando desligada age como uma SLR, e quando ligada pudesse agir como uma EVIL ou uma SLR, e com um apertar de botão trocasse de modo. Assim o fotógrafo pudesse ver a imagem pelo espelho, ou por um Live View com a imagem sendo capturada pelo sensor. E pudesse rever as fotos, ver os menus etc, pelo visor, e nesta hora ela funcionasse como uma EVIL?

Eu acho que usaria quase o tempo todo como SLR para fotografar, mas veria as fotos e configurações pelo visor eletrônico. Em alguns casos, caso precisasse usar alguma característica típica do Live View, eu usaria como EVIL para fotografar. Seria uma câmera híbrida.

Acho que estou sonhando demais.

Observando como muitas substituições de tecnologias tem acontecido, talvez em uns 15 anos existam poucas SLRs no mercado, e o mercado seja dominado pelas EVIL. Talvez a Nikon D6 seja uma EVIL usando a baioneta F, e todas as lentes Nikon feitas desde os meados da década de 1970. Talvez a Canon 1D Mark VII também seja assim.

2 comentários:

  1. João, fiz uma pergunta para você no seu tópico na comunidade HDR no orkut, mas acho que por aqui vc deve ler com mais frequencia...
    Estou começando a brincar de fazer HDRs e uso o Photomatix.
    Nele não encontrei a opção fattal que você mencionou no começo do tópico.
    É um efeito assim que estou querendo para as minhas fotos e ainda não consegui.
    Se puder me dar uma luz, seria muito grato.
    Abraço!

    Fabio

    ResponderExcluir
  2. Eu li antes na comunidade HDR no Orkut, e respondi lá.

    ResponderExcluir