Quem sou eu e o que este blog.

Minha foto

Sou viciado em computação, Internet e Fotografia. Morei por quase 6 anos, e ainda frequento, Paraty. Sou usuário de softwares Open Source, tendo dado algumas contribuições em diversas ocasiões.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Fico em DX, subo para FX, ou fico com a mesma câmera até ela acabar?

A algum tempo penso em fazer um upgrade de câmera. Pegar uma com mais resolução, mais recursos, melhor qualidade de imagem, menos ruído etc, do que a minha querida Nikon D90, mas surgem alguns problemas e dilemas.

Nota: Vou me ater à Nikon, pois tenho muita coisa que teria de substituir se mudar de sistema, fabricante etc.

Começando pelo preço. O kit de câmera e lente DX mais caro do mercado, a D7100 com a lente 18-140mm, que é uma lente "faz tudo", é mais de mil Reais mais barata que a mais barata câmera FX sem lente, a D600 (Preços pesquisados no Boa Dica em 22/10/2014). Sim, tinha um kit mais caro, com uma lente FX 24-120mm F4, mas acho que não devo levar em conta isto. As câmeras Full Frame são um novo patamar de preços.

Nota 2: Para entender melhor o que é DX e FX sugiro ler este artigo.

As lentes DX são mais baratas leves, e tem zoom maiores (com mais variação de distância focal). Mesmo assim eu só tenho uma lente DX, a que veio com D90.

Mesmo o resto das minhas lentes sendo FX, é interessante o fato delas equivalerem a uma distância focal 50% maior. Sou um cara que gosta de teles, gosto de manter alguma distância. Mas sempre pode-se cortar a imagem feita com uma câmera FX.

Com uma câmera FX a lente 50mm que eu tenho deixa de ser a lente ideal para retratos, por deixar de ser uma pequena tele. Posso usar outras lentes? Sim, mas a questão é a abertura e o desfoque. Eu teria que comprar uma lente 85mm F1.8, que custa pouco mais de 2 mil Reais. Ou até mesmo a 85mm F1.4G, que custa cerca de 5 mil Reais.

A minha lente 18-105mm, que é a minha lente de uso geral, não teria tanto uso em câmeras FX, pois implicaria em não usar toda a resolução da câmera. Mesmo com lentes e câmeras FX eu posso colocar a câmera em modo DX, mas aí só a série D8X0 superaria a minha D90 em resolução.

A Nikon, com o lançamento da D600, com o não lançamento da substituta da D300s, e depois com mais lançamentos FX, sinalizou que ela quer levar o patamar mais alto para Full Frame, para FX. Em DX se encontra câmeras consideradas intermediárias (D7X00) e básicas (D3X00 e D5X00), e em FX se encontra as intermediárias (D6X0) e avançadas (D8X0, D4 e D4s). Ela está indicando que os profissionais tem que trabalhar com Full Frame.

Os sensores FX tem mais área de captação de luz. Cerca de 2.25 vezes a mais, o que implica em cerca de pouco mais de 1 ponto em melhoria de qualidade de imagem (especialmente em ruído) para o mesmo nível de tecnologia. Ainda tem o avanço tecnológico, pois atualmente estamos a 2 gerações de sensores após a geração da D90, e talvez quase na terceira.

Eu teria uso e retorno financeiro para ter uma câmera FX? Eu não tenho fotografado muito, portanto a câmera ficaria muito tempo ociosa. Eu não sou profissional, então não teria retorno financeiro. Claro que quero maior qualidade de imagem no que faço, quero mais recursos para inventar o que fazer etc. Mas o meu medo é a sub-utilização.

Posso manter os dois sistemas. Em ambientes de muita luz, quando eu quiser fazer retratos com a 50mm, quando quiser o corte da DX, e em várias situações usar a D90, e em situações especiais, menos luz, que precisa de mais qualidade de imagem etc, usar a nova FX. Já faço algo assim com a minha velhinha Panasonic FZ28. Também posso sub-utilizar uma câmera FX colocando-a em modo DX quando achar conveniente.

Será que seria melhor alugar quando precisasse? Tem algum lugar legal para alugar material fotográfico no Rio de Janeiro? Será que é caro?

Por que escrevi este texto? Por que acredito que muitos outros fotógrafos passem por estes dilemas, especialmente os fotógrafos amadores como eu, e mesmo os que usam Canon.

Nenhum comentário:

Postar um comentário